terça-feira, 1 de novembro de 2011

Post-it

Faço da vida um post-it, há lembretes que têm que ser colados na parede de todos os corações até se tornarem eternos.
Há porém papelinhos amarelos que estão sujeitos ao desgaste do tempo como as palavras ditas em vão.
Hoje de manhã acordei e reli um desses, daqueles que ficaram para memória futura, e sorri, nele estava escrito que de todas as memórias que viveste a mais importante é a que constróis hoje. E lembrei-me do emissor, pensei no destinatário, sei exactamente o dia, falta marcar a hora para essas palavras ganharem a força de outrora. As personagens mudaram, o filme é outro, mas aquela banda sonora, sim, aquela banda sonora do sem-sentido-que parvoíce ecoa na memória das coisas tristes.
E amanhã já não me lembro o post-it que escrevi.
Enviar um comentário